A Jornada de Layla

A Jornada de Layla

Capítulo 1

 O Guardião

Enquanto cruzava o deserto, o sol a incinerar seus pensamentos, Layla revia a mesma cena. Seus pais, esvaindo-se em sangue, no piso da sala de estar. Para sempre imóveis.

Naquela manhã, sentia-se mais leve. Ufa! Não teria que suportar a aula de Dogmas Religiosos… Sair mais cedo da Xantia era algo raro, prá se comemorar.

Então, porque seus pulmões se contraíam e ela mal podia respirar? Era como se chamas devorassem seu cérebro. Essas sensações se repetiam desde o despertar de seus poderes. Infelizmente, elas sempre anunciavam algo desagradável.

Mas, espere. Impressão sua ou, daquela vez, sua cabeça estava entrando em combustão? Sem falar na pulsação fraca e no ritmo frenético de seu coração, que definitivamente não combinavam entre si.

Layla tentou apressar os passos, porém as pernas não lhe obedeciam. Quando, enfim, transpôs o portão de sua casa, congelou ante a entrada principal. Um arrepio percorreu sua espinha. Pelo canto do olho esquerdo, acreditou ver uma sombra tão densa quanto a noite… mas como podia a escuridão brilhar?

Ela piscou. No instante seguinte, não havia mais nada ali. Só faltava isso agora… alucinações a perseguirem. Bem, pelo menos essa imagem lhe trouxera um leve bem-estar.

A partir daí, as cenas transcorreram em câmera lenta. Layla respirou fundo, torceu a maçaneta, empurrou a porta. De olhos cerrados, avançou alguns passos.

De repente, tropeçou em algo viscoso. Um súbito calor invadiu seus pés. Sem hesitar, ela abriu os olhos.

Então… O mundo girou. Seu estômago se contorceu. Uma lágrima congelou em suas faces, enquanto suas emoções adormeciam. Ela se apoiou na parede mais próxima para se manter em pé.

Ali estavam seus pais, os braços abertos, como se pregados a uma cruz imaginária. Seus corpos, seguindo uma linha perpendicular, tocavam-se apenas nos pés, circundados por uma algema dourada. Ela franziu a testa. Aquele objeto não lhe era estranho…

Trêmula, aproximou-se de seus pais. Abaixou-se, tentando sentir os pulsos de Louise e Thomas. O desespero a sufocava. Nada… Não havia mais vida. Onde estariam? Haveria mesmo outra dimensão, como defendia seu pai? Infelizmente, não houve tempo. Ele jamais encontrou provas de suas convicções.

Naquele instante, algo cintilou entre as mãos de Louise, capturando a atenção de Layla. Esforçando-se para respirar, ela se aproximou do estranho artefato. Subitamente paralisou, deixando escapar um gemido. O broche dele, sem dúvida nenhuma.  De Clark, seu irmão.

infinito

Inesperadamente, um brilho a cegou. Piscou várias vezes, confusa. A princípio pensou ser o sol; logo se deu conta de seu erro. Focada novamente no deserto, Layla ouviu um grito agudo. Custou a perceber. Ele escapava de sua própria garganta.

– Areia! Are… – engasgou.

Layla sufocava à medida que a tempestade de areia se abatia sobre o deserto. Quando não mais respirava, sentiu o calor de um braço a enlaçar seu corpo.

Apesar da alta temperatura, ela estremeceu. Calafrios percorriam sua espinha enquanto o ser misterioso a impelia para longe do redemoinho. Ela não tinha outra saída senão se deixar levar pelo desconhecido.

Se fosse hostil, ele a salvaria? Não estava bem certa. Ele parecia ter uma força incomum ao conduzi-la, por um tempo infinito, contra o poder da tempestade. Finalmente Layla viu uma caverna emergir praticamente do nada.

Ao atingir o limiar da gruta gelada, ela se desvencilhou de seu raptor na mesma hora. Um aroma de frutas do bosque emanava dele. Sem dúvida uma fragrância masculina.

Assim que Layla adaptou seus olhos à escuridão, percebeu que a caverna era minúscula, nada assustadora. Lembrava um pouso para viajantes, não as grutas repletas de monstros que povoavam seu imaginário. 

Lembrando-se de que não estava só, engoliu em seco. Virando-se lentamente, fitou, enfim, o desconhecido.

Seu coração quase parou. Olhos cinzentos pareciam devorá-la do alto de quase dois metros de altura.

Pele bronzeada, músculos bem torneados, cabelos negros amarrados na altura dos ombros desnudos. Peles de corça cobriam o corpo dele.

Layla recuou, arregalando os olhos. Seu coração pulsava na garganta. Sem dúvida estava ante um dos míticos guardiões das montanhas.

E agora? A vida de Clark dependia dela…

Anúncios

20 comentários sobre “A Jornada de Layla

  1. Não gostei dessa imagem dos pais mortos na minha mente não… hehe… nem sei se tenho coragem de ler o restante da história, já que não gostaria de encontrar algo parecido. Mas fiquei curiosa para saber o que aconteceu com o irmão e onde a Layla se meteu.

    Beijo!

    Ju – Entre Palcos e Livros

    Curtir

  2. Oi, Aninha! Tudo bem? Você já pensou em colocar sua história no Wattpad? 🙂 Acho uma ótima plataforma de divulgação, e vários escritores já conseguiram ser publicados por editoras devido ao sucesso com os leitores por lá. 🙂
    Outra coisa: Eu tiraria o parágrafo inicial, que conta que os pais da Layla foram assassinados. Isso faria com que a narrativa da parte em que são assassinados chocasse mais o leitor. Mas é só uma sugestão, você pode experimentar e ver se te agrada. 🙂
    Um abraço, vou acompanhar sua história! Gostei especialmente do ritmo.
    http://www.literasutra.com

    Curtir

    1. Obrigada por suas sugestões, Monalisa. Acho que é mesmo uma ótima ideia colocar no Wattpad. Decidi fazer uma primeira experiência publicando aqui no blog; e o feedback foi bem legal. Vou pensar nesse parágrafo inicial. É isso mesmo que desejo receber em troca, dicas, sugestões. Estou super aberta para novas ideias. Valeu mesmo. bjs

      Curtido por 1 pessoa

  3. Oi tudo bem?
    Adorei a ideia e o capítulo. Você tem uma escrita ótima, continue. Eu gostava de escrever fanfics, atualmente parei. Mas é um ótimo estímulo. Beijos!

    Curtir

  4. Olá… tudo bem??
    Nossa para um inicio de leitura me senti extremamente curiosa… é tão bom quando somos pegos de surpresa em uma leitura… e não se pega vendo capa, nem sinopse, só começa a ler e pronto… você escreve muito bem, gostei. Xero!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s